Novidades

Pacientes avaliam como "ótima" a hemodiálise no Hospital de Betim

Os pacientes da hemodiálise realizada no Hospital Público Regional de Betim (HPRB) participaram recentemente de uma pesquisa de satisfação, promovida pelo Hospital Evangélico, instituição filantrópica responsável pela prestação dos serviços de nefrologia da Prefeitura de Betim. Os resultados apurados foram positivos, com destaque para o atendimento assistencial da equipe médica, com média de 91% de satisfação; da equipe de enfermagem, com média de 96% de satisfação; e qualidade dos equipamentos, aparência e conforto, com 98%.

Também foram avaliados os serviços de nutrição, psicologia, assistência social, limpeza, alimentação, portaria e recepção. A média de satisfação ficou acima de 85%. Para diretora administrativa do Centro de Nefrologia do Hospital Evangélico e responsável pela pesquisa, Dália Moraes, o resultado indica que a gestão está no caminho certo. “Estamos motivados a continuar e sabemos que podemos melhorar ainda mais. Ao identificar pontos de melhoria, oportunidades e falhas, a instituição poderá estabelecer novos planos de ação para atender ainda melhor os usuários”, completa.

Para o secretário municipal de Saúde, Guilherme Carvalho, além da melhoria do atendimento, a nova forma de gestão da nefrologia também trouxe economia para os cofres municipais. “O custo de um salão de hemodiálise, com atendimento de 200 pacientes por mês, era de cerca de R$ 23 milhões por ano. Hoje atendemos a 425 pacientes por mês em dois salões, com um custo anual de cerca de R$ 19 milhões, sem prejuízo na qualidade da assistência prestada. Com esses dados, podemos afirmar, de forma clara, que o valor médio dos procedimentos caiu para menos da metade junto ao novo prestador”, conclui.

Outro ganho substancial para os usuários foi a ampliação das vagas da hemodiálise no HPRB, o que possibilitou a oferta desse tratamento dentro de Betim e humanizou o cuidado com o paciente renal crônico. Quando o Hospital Evangélico foi contratado em 2017, Betim possuía aproximadamente 250 pacientes realizando hemodiálise fora do município, em Belo Horizonte ou Contagem. “Com o novo prestador e a ampliação do serviço para 425 vagas, foi possível oferecer o tratamento para os pacientes em seu próprio domicílio, trazendo qualidade, economia de tempo e maior segurança, pois os pacientes não precisam mais se deslocar em grandes trajetos e, ainda, têm acesso ao tratamento integral da linha de cuidados da terapia renal substitutiva”, destaca o secretário.

Histórico da nova linha de cuidado da nefrologia

O Hospital Evangélico assumiu a linha de cuidado da nefrologia da rede de saúde pública de Betim no final de outubro de 2017, ficando responsável pelos procedimentos de hemodiálise, consultas ambulatoriais, exames e internações. A instituição foi contratada pela Prefeitura por meio de licitação, com o objetivo de ampliar e melhorar os serviços prestados. De imediato, 216 vagas passaram a ser oferecidas, dando continuidade no atendimento de quem já estava em tratamento e possibilitando a inclusão de alguns pacientes que precisavam ficar internados no HPRB para passar pelo procedimento de hemodiálise.

A partir de dezembro de 2017, um segundo salão de hemodiálise foi inaugurado dentro do hospital, que foi revitalizado e aparelhado pelo novo prestador. Com isso, o município ampliou a sua capacidade de atendimento para 425 pacientes. A duplicação das vagas permitiu atender às solicitações de transferências, aguardadas há anos por alguns pacientes. Atualmente, a rede de saúde atende aos pacientes com doença renal crônica dos 12 municípios da região de saúde: Betim, Bonfim, Brumadinho, Crucilândia, Esmeraldas, Florestal, Igarapé, Juatuba, Mário Campos, Mateus Leme, Piedade dos Gerais, Rio Manso e São Joaquim de Bicas.

Além dos 425 pacientes que fazem hemodiálise no HPRB, outros 39 realizam o tratamento em casa, por meio de diálise peritoneal, recebem assistência periódica de uma equipe multidisciplinar e fazem exames regularmente. Outros 699 pacientes com algum tipo de síndrome renal grave fazem acompanhamento por meio de consulta, orientação nutricional e exames, para manterem um modo de vida adequado para o não agravamento das doenças e consequente dependência de hemodiálise.

Fonte: Portal Agita

Depoimentos de Clientes